segunda-feira, 27 de setembro de 2010

GABARITO AD1 GESTÃO 1 2009.2

1.      Glossário da AD1
Disciplina Gestão Educacional
Professora Tânia Mara Tavares



Orientação geral

Uma leitura cuidadosa mostra que a maioria das palavras e conceitos propostos tem sua resposta contida no próprio texto.
No entanto, a pesquisa poderia ser feita pela Internet ou em livros.

Importante : o discente já devia ter internalizado a importância de citar a fonte (referência) mas, como não solicitei no exercício não podemos penalizar o aluno mas devemos educá-los neste sentido. Assim, para todos os que não mencionaram a fonte sugiro que escrevam a seguinte frase: FONTE? DE ONDE VIERAM ESTAS INFORMAÇÕES?



NEOLIBERALISMO
O que se convencionou chamar de Neoliberalismo é uma prática político-econômica baseada nas idéias dos pensadores monetaristas (representados principalmente por Milton Friedman, dos EUA, e Friedrich August Von Hayek, da Grã Bretanha). Após a crise do petróleo de 1973, eles começaram a defender a idéia de que o governo já não podia mais manter os pesados investimentos que haviam realizado após a II Guerra Mundial, pois agora tinham déficits públicos, balanças comerciais negativas e inflação. Defendiam, portanto, uma redução da ação do Estado na economia. Essas teorias ganharam força depois que os conservadores foram vitoriosos nas eleições de 1979 no Reino Unido (ungindo Margareth Thatcher como primeira ministra) e, de 19880, nos Estados Unidos (eleição de Ronald Reagan para a presidência daquele país). Desde então o Estado passou apenas a preservar a ordem política e econômica, deixando as empresas privadas livres para investirem como quisessem. Além disso, os Estados passaram a desregulamentar e a privatizar inúmeras atividades econômicas antes controladas por eles.

GLOBALIZAÇÃO E CRÍTICA AO NEOLIBERALISMO

  [A globalização] pode ser definida como o processo de internacionalização das práticas capitalistas, com forte tendência à diminuição – ou mesmo desaparecimento – das barreiras alfandegárias; liberdade total para o fluxo de Capital no mundo

(e esta é a crítica mais visceral ao neoliberalismo) trata-se de uma nova roupagem, a partir da qual, dá-se no âmbito educacional e escolar uma possibilidade de se perpetuar o modelo capitalista e não sua ruptura (texto 1 p.1)


BANCO MUNDIAL
O Banco Mundial é uma agência do sistema das Nações Unidas, fundada a 1 de Julho de 1944 por uma conferência de representantes de 44 governos em Bretton Woods, New Hampshire, EUA.É composto por 184 países membros e a sua sede é em Washington DC, EUA.A sua missão inicial era financiar a reconstrução dos países devastados durante a Segunda Guerra Mundial.Atualmente, sua missão principal é a luta contra a pobreza, através de financiamento e empréstimos aos países em desenvolvimento. Seu funcionamento é garantido por quotizações definidas e reguladas pelos países membros.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Banco_Mundial (acesso em 25/08/2009

TERCEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
A Terceira Revolução Industrial ou Revolução Tecno-científica permitiu o desenvolvimento de atividades na indústria que aplicam tecnologias de ponta em todas as etapas produtivas. A produção de tecnologias é um ramo que apresenta como um dos mais promissores no âmbito global. Essa nova fase produtiva não se limita a produtos de pouco valor agregado, como nas revoluções industriais anteriores, pelo contrário, o conhecimento inserido, no qual foram gastos anos de estudos e pesquisas, agregam elevados valores no produto final, mesmo que tenha sido gastos pouca quantidade de matéria-prima.
Nesse sentido, as atividades que mais se destacam no mercado estão vinculadas à produção de computadores, softwares, microeletrônica, chips, transistores, circuitos eletrônicos, além da robótica com grande aceitação nas indústrias, telecomunicações, informática em geral. Destacam-se ainda a expansão de transmissores de rádio e televisão, telefonia fixa, móvel e internet, indústria aeroespacial, biotecnologia e muitas outras inovações.
No mundo capitalista, a inserção de tecnologias e o aprimoramento constante da mesma promovem uma dinamização produtiva, intensifica o trabalho cria produtos e mercadorias de maior qualidade para concorrer em um mercado cada vez mais competitivo, gera diminuição de custos. Esse processo desencadeia uma enorme acumulação de capitais pelos donos dos meios de produção que posteriormente serão usados para realizar investimentos no desenvolvimento de novos produtos e na geração de inéditas tecnologias de ponta, sempre a serviço da indústria.


CICLOS ESCOLARES

Os ciclos compreendem períodos de escolarização que ultrapassam as séries anuais, organizados em blocos cuja duração varia, podendo atingir até a totalidade de anos prevista para um determinado nível de ensino. Eles representam uma tentativa de superar a excessiva fragmentação do currículo que decorre do regime seriado durante o processo de escolarização. A ordenação do tempo escolar se faz em torno de unidades maiores e mais flexíveis, de forma a favorecer o trabalho com clientelas de diferentes procedências e estilos de aprendizagem, procurando assegurar que o professor e a escola não percam de vista as exigências de educação postas para o período.
Fonte : BARRETO, Elba Siqueira de Sá e MITRULIS, Eleny Trajetória e desafios dos ciclos escolares no País.   in Estudos Avançados vol. 15 n.24 São Paulo ( maio-agosto de 2001)
Estado de Bem Estar Social
Pelos princípios do Estado de bem-estar social, todo o indivíduo teria o direito, desde seu nascimento até sua morte, a um conjunto de bens e serviços que deveriam ter seu fornecimento garantido seja diretamente através do Estado ou indiretamente, mediante seu poder de regulamentação sobre a sociedade civil. Esses direitos incluiriam a educação em todos os níveis, a assistência médica gratuita, o auxílio ao desempregado, a garantia de uma renda mínima, recursos adicionais para a criação dos filhos etc
htpp://pt.wikipedia.org
Obs: colei apenas o principal elemento que os alunos devem saber. Alguns podem buscar as críticas que é tem sido o centro do debate educacional.
Educação Não Formal
Atualmente muito se fala em Educação Não Formal e muitas são as tentativas de definição para esta prática que é sem dúvida muito importante para o processo educativo. Algumas das tentativas para definir a Educação Não Formal simplesmente a contrapõem à Educação Formal (aquela que é praticada na escola, que se entende como um ambiente repleto de elementos voltados para o aprendizado). Porém "não existe um consenso em relação a isso, até mesmo entre pesquisadores há divergências quando se trata de um conceito definitivo", cita a Profª. Drª. Martha Marandino, que ministra a matéria intitulada "Educação Não Formal e Divulgação em Ciências: a educação científica nos diferentes espaços sociais", no curso de Pós Graduação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.
Para Marandino, "o simples fato de não estar vinculada a uma estrutura escolar não caracteriza o processo educativo como Educação Não Formal". E ainda mais, "a formalidade do sistema escolar exige muito mais e tem um forte impacto na vida das pessoas quando se refere às avaliações e cobranças, pela obrigatoriedade, diferente das experiências não formais que podem ser inseridas num programa de educação estruturado e com avaliações inclusive, mas que estão muito mais relacionadas às experiências ou vivências em si do que ao aprendizado exclusivamente, além disso, a pessoa tem autonomia para escolher a relevância destas experiências quando precisa elaborar um currículo, por exemplo, podendo citá-las ou não".
Para as educadoras Gislaine Xavier Andrade e Rízzia Dias Botelho do Departamento de Educação Ambiental e Gestão do Parque Ecológico da Fundação Zôo-Botânica de Belo Horizonte, "a Educação Não Formal é qualquer tentativa organizada fora da escola, com intenção educativa e direcionamento pedagógico em que o educando tem livre escolha sobre o que quer ver, fazer, ler ou falar" o que contrapõe à Educação Informal (que não tem a intenção inicial de ensinar) e citam ainda que, "em espaços como a Fundação Zôo-Botânica, mesmo que não haja a intenção de aprendizagem por parte do visitante, a instituição tem metas educativas relacionadas a conservação da natureza, e que a princípio os visitantes não pretendem ser experts em zoologia ou botânica, eles objetivam basicamente contemplar, observar e se entreterem, mas que, com estratégias educativas interativas e lúdicas, há o estímulo da utilização dos diversos sentidos e assim ocorrem indagações, reflexões e teorias que são elaboradas de acordo com o nível de organização intelectual a ponto de se iniciar um processo de aprendizagem". Um bom exemplo de programa educativo organizado e estruturado, mas Não Formal.
Outra dúvida que surge é em relação ao vocábulo "non formal education", que em inglês também contrapõe a Educação Formal, mas não faz uma distinção entre Educação Informal e Educação Não Formal.
Mas com tanta discussão pode-se dizer que para a definição de Educação Não Formal não se deve simplesmente considerar a estrutura, forma, avaliação, currículo e outros elementos isoladamente, e sim o contexto, sendo assim ainda fica a questão: Afinal, o que é Educação Não Formal?
* Emerson Luis Costa
Fonte : htpp://www.eca.usp.br/nucleos/ujr/voxscientiae/emerson_luis.40.htm

Obs: Há muito debate sobre o tema. Assim, os alunos podem concordar com o que o autor denomina de visão simplista ou assumir que ainda não há consenso. Ambas as definições estão corretas.



Como vocês podem ver basta acessar a Internet para a realização da pesquisa ou em algum artigo ou livro.

Todas as outras respostas estão no próprio texto.

Idéias de Taylor (no texto ); Contrahegomnia (no texto); Perspectiva Sóciocrítica (no texto) Especialização Flexível da produção (no texto); multiculturalismo(no texto)

Questão 2:

Os principais elementos no sentido amplo são as mudanças no mundo do trabalho; na visão do Estado e da cidadania que operam no sentido de criar novos elementos para se pensar a Gestão. No texto, Silva ( 2009) centrou-se em dois autores: Enguita e Sennet.
Para responder os alunos devem citar os aspectos enunciados pelos dois autores: PP 2;3 e 4)

Questão 3
No texto Luck faz uma longa descrição do que seja uma gestão descentralizada; democrática e autônoma. (pp16 a 27). O importante da descrição é perceber que as atitudes do gestor devem envolver também as instituições do Estado já que a autonomia não é total e nem deve ser. Assim, uma resposta correta deve envolver reuniões, conversas ou qualquer tipo de movimento que possa envolver: os alunos; os pais e a comunidade escolar e do entorno e por fim, a instituição imediatamente acima (CRE por exemplo).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário